fbpx

Pará de Minas

ERRO DE DESCRIÇÃO

Saiba mais sobre a cidade de Betim: área, vegetação, cidades-fronteiras e um pouco sobre a história do município.

Saiba mais sobre a cidade de Pará de Minas: área, vegetação, cidades-fronteiras e um pouco sobre a história do município.

Antes de mais nada, você sabia que Pará de Minas é uma das cidades com um polo da Unicesumar? Isso mesmo! Pará de Minas conta com a melhor EAD do Brasil.

Com professores mestres e doutores, metodologia exclusiva, material didático online e físico gratuito, além de plataforma digital qualificada para ensino, a Unicesumar ainda assim conta com NOTA MÁXIMA pelo Ministério da Educação (MEC), sendo a melhor EAD do Brasil. São mais de 180 cursos de pós-graduação e graduação, assim, a Unicesumar tem reconhecimento internacional e polos em todos os estados do Brasil.

Área de Pará de Minas:

551,247 km²

Vegetação Dominante:

Cerrado, Mata Atlântica.

Cidades limítrofes:

São José da Varginha, a norte; Onça de Pitangui, a nordeste; Conceição do Pará, a leste; Igaratinga, a sudoeste; Mateus Leme e Itaúna, a sul; Florestal, a leste; e Esmeraldas, a nordeste.

Sobre Pará de Minas:

Os primórdios da povoação que deu origem a Pará de Minas remontam ao final do século XVII. Época em que o fluxo das bandeiras paulistas tornou-se constante nessas paragens, área compreendida entre os Rios Pará, Paraopeba e São João. Isso, devido à procura do ouro, que acabou sendo encontrado em maior quantidade em Pitangui.

O caminho de Pitangui assim estabeleceu-se e muitos se deixaram ficar. Se o ouro o originou, então foi o comércio que o solidificou. A princípio, um núcleo populacional foi se formando às margens do Ribeirão Paciência, onde havia um ponto de pouso para os viajantes. Nele, de acordo com a lenda, fixou-se o mercador português Manuel Gomes Batista (Pato Fofo).
O marco oficial da história do município verifica-se pela elevação de Pitangui à categoria de Vila de Nossa Senhora da Piedade de Pitangui, em 06 de Fevereiro de 1715, uma vez que o povoado de Patafufo pertencia ao território de Pitangui.

De arraial para Vila

Em 1832 o povoado de Patafufo já era curato, isto é, já o assistiam eclesiasticamente por um Cura, Capelão. Assim, em 1832, por Decreto Imperial, o Curato de Patafufio passou a integrar a Paróquia de Mateus Leme; em 1836, incorporou-se à Freguesia de Pitangui pela Lei nº 50, de 08 de abril. Criou-se, então, a Paróquia, com a denominação de Nossa Senhora da Piedade do Patafufo, 10 anos depois, em 08/04/1846, pela Lei nº 312. Em 1848, o Presidente da Província de Minas Gerais, sr Bernardino José de Queiroga, por Lei Provincial nº 386, de 09 de Outubro, elevou o arraial de Patafufo à categoria de Vila. Esta, com a denominação de Vila do Patafufio. Tal compreendendo o seu território e os de Santana do São João Acima (hoje Itaúna), Mateus Leme, São Gonçalo e Igaratinga.

Pelo seus habitantes não terem construído os edifícios da Câmara, Conselho de Jurados e da Cadeia, conforme exigência da Lei 386, não instalou-se a Vila do Patafufio. Assim, em 31 de maio de 1850, pela Lei Provincial Nº 472 ela foi suprimida, voltando o território a pertencer ao Município de Pitangui.
Satisfeitas as exigências legais, em 08 de junho de 1858, a Lei Provincial nº 882 veio restaurar a Vila, alterando também o seu nome para Vila do Pará e o da Paróquia para Nossa Senhora da Piedade do Pará. Instalou-se a Vila do Pará em 20 de Setembro de 1859 pelo Presidente da Câmara Municipal de Pitangui, Dr. Francisco de Campos Cordeiro Valadares.

Origem do nome

O nome Pará na lingua Tupi significa “o mar, águas todas colhe, o colecionador de águas”. Pará, seria então o rio coletor do Centro-Oeste do Estado. O nome “Pará” homenageia o rio Pará, que banhava as terras do imenso município.
Em decorrência de acirradas disputas políticas entre os chamados “Cascudos” (Conservadores) e “Chimangos” (Liberais), a Lei Provincial nº 1889, de 15 de Julho de 1872, suprimiu novamente o Município do Pará, incorporando seu território ao de Pitangui.
Logo em seguida, dois anos depois, em 23 de Dezembro de 1874, a Vila do Pará restabeleceu-se pela Lei nº 2.081, ficando definitivamente seu território desligado de Pitangui. A reinstalação da Vila do Pará ocorreu em 25 de março de 1876, em sessão solene na Câmara Municipal. Dessa maneira, sendo empossado como Presidente da Câmara e Agente Executivo o Alferes Francisco Esteves Rodrigues.
Alcançou a categoria de cidade em 05 de Novembro de 1877, com a Lei nº 2416, passando a denominação a ser CIDADE DO PARÁ.

Por força da Lei nº 806, de 22 de Setembro de 1921, o município passou a denominar-se PARÁ DE MINAS. Relembrando que esta denominação é devida ao maior rio que banhava o município, o PARÁ, cujo nome na língua tupi significa rio volumoso, o colecionador de águas; e “DE MINAS”, apenas um aditivo para distinguir o município mineiro do Estado do Pará.

Fonte: https://portal-novo.parademinas.mg.gov.br/sobre

Código